COMO “MUDAR” SUA GENÉTICA ATRAVÉS DA ALIMENTAÇÃO

Mais um reporte novo do Paleo(fx) 2016 trazendo essa informação que pode realmente trazer paz mental e esperança para muita gente.

Sua genética NÃO é seu destino! O que irá definir o seu destino, independente da sua pré-disposição genética, é a maneira como você vive e os hábitos que você pratica que podem ativar ou desativar de fato sua pré-disposição.

Um grande abraço,
Rodrigo

  • Thiago B Santos

    Rodrigão,
    Boa tarde,

    Já sigo low carb e dieta cetogenica cíclica há bastante tempo, antes mesmo de
    conhecer o blog do Dr. Souto. Mas, após conhecer o trabalho de vcs e alcançar
    informação sustentada por evidencia científica tudo clareou e o embasamento
    consolidou decisões e discussões por uma vida mais forte e saudável baseada
    neste estilo de vida.

    Vou tocar num assunto, creio que seja tema interessante para discussões posteriores
    de alguma publicação ou podcast.

    Procurei um nutrólogo há um tempo atrás, com o simples objetivo de passar um pente fino
    preventivo na saúde (estou com quase 40 anos) e sanar uma teórica preocupação
    em ter resultados sucessíveis de testosterona relativamente baixa., afinal
    estou fazendo tudo certinho, alimentação forte, musculação com cargas livres e
    PESADO……

    Na bateria de exames eu estava com cortisol salivar matinal alterado (acima dos
    30), dhea acima dos valores de referencia, SHBG elevada, LH elevado,
    testosterona total legal (próxima aos 1000), mas testosterona livre baixa,
    colesterol total e ldl acima dos valores de referencia (nada preocupante pois
    já li todo o estudo do Dr. Souto sobre o assunto).

    Conclusão:

    O Médico disse que a ausência crônica de carbohidratos complexos, sejam eles
    amido resistentes ou sensíveis, levava o organismo a uma síndrome de stress
    sobrecarregando a glândula suprarrenal. Segundo ele essa síndrome se caracteriza
    por dois momentos: primeiro, valores altos de cortisol e dhea; depois, os
    valores caem abaixo da referencia em função da sobrecarga da suprarrenal.

    Concomitante a isso tínhamos LH aumentado, SHBG aumentada e etc.

    A orientação foi uma formula cara e encaminhamento para a nutricionista a fim de
    corrigir a dieta com inserção de carbohidratos complexos para corrigir o quadro
    da síndrome.

    Poderíamos falar sobre isso?