TRIBO FORTE #070 – A VERDADE SOBRE LDL E ADOÇANTES PARA EMAGRECER

Bem vindo(a) hoje a mais um episódio do podcast oficial da Tribo Forte!

Os podcasts são 100% gratuitos e episódios novos saem todas as terças-feiras.

Certifique-se de colocar seu email aqui em cima do site para ser avisado das novidades e de futuros podcasts.

No Episódio De Hoje:

Neste episódio mais curtinho batemos de frente com 2 tópicos principais:

  • LDL, o “mau” colesterol, merece mesmo a fama que tem? É mesmo um bom indicador de problemas? Justifica-se o medo que temos dele? Vamos ver as verdades…
  • Adoçantes para emagrecer, seriam eles uma boa estratégia? Refrigerantes diet/zero afetam o açúcar no sangue? Bons, ruins?
  • O que comemos no almoço de hoje…

Espero que nossa conversa possa te auxiliar de alguma forma nas suas decisões saudáveis. 🙂

 Tribo Forte - Se Torne Membro copy

Ouça o Episódio De Hoje:

Quer se juntar ao grande movimento e fazer parte da familia de membros VIP da Tribo Forte e ganhar acesso ao portal exclusivo e privilegiado e ao fórum para membros? Clique AQUI.

Quer Emagrecer De Vez? Conheça o programa Código Emagrecer De Vez

Logo-Banner-quadrado1Abaixo eu coloco alguns dos resultados enviados pra mim por pessoas que estão seguindo as fases do Código Emagrecer De Vez, o novo programa de emagrecimento de 3 fases que é o mais poderoso da atualidade para se emagrecer de vez e montar um estilo de vida alimentar sensacional para a vida inteira.

Este programa é 100% baseado na melhor ciência nutricional disponível hoje no mundo.

Se quer colocar um sorriso novamente no seu rosto com um corpo e saúde que te dê orgulho, CLIQUE AQUI.

Alguns dos resultados REAIS de membros que estão finalizando os primeiros 30 dias do programa Código Emagrecer De Vez.

test15

test16

test17

Quanto_peso_1_mes_rtfd4

Quer seguir o Código Emagrecer De Vez você também? Clique AQUI e comece HOJE!

 

Referências

 

Revisão Sistemática Publicada na Metade do Ano Passado, 2016 no BMJ Teve Como Objetivo Analisar a Hipótese de que o Colesterol LDL Mais Alto é Associado com Maior Risco de Problemas Cardíacos e Morte de Todas as Causas.

Estudo Sobre Sprite Zero e os Níveis de Glicose no Sangue

Estudo Sobre Pepsi Max e os Níveis de Glicose no Sangue

 

Transcrição do Episódio

Rodrigo Polesso: Olá! Bom dia para você. Espero que você esteja preparado. Esse é o episódio número 70 do podcast oficial da Tribo Forte. Esse podcast será um pouco mais rápido do que o normal. Temos o comprometimento de mandar um podcast semanal. Chova pedra, areia ou o que for… Estaremos fazendo esse podcast semanal. Dr. Souto está viajando daqui a pouco. Antes de ele embarcar, a gente vai gravar esse podcast. Estou com a voz meio rouca. Sai do Canadá e fui pegar gripe no Rio de Janeiro. Eu estava lá para fazer uma noite de autógrafos para um livro de fotografia que eu lancei. Fui pegar gripe aqui no Rio de Janeiro. Fazia tempo. Deu até saudade de gripe… Até eu lembrar que não. Saudade nenhuma. Dr. Souto, tudo bem por aí?

Dr. Souto: Tudo bem. Boa tarde, Rodrigo. Boa tarde aos ouvintes.

Rodrigo Polesso: Boa tarde. A gente vai falar de dois assuntos hoje. São de interesse para muita gente. O primeiro deles é LDL. O LDL é um assunto que dará muito pano para manga, e vem dando há muito tempo. O chamado de “mal colesterol”. Vamos ver o tipo de evidência que temos hoje sobre isso para a gente ponderar um pouco. Depois falaremos sobre adoçantes não calóricos e low carb… Emagrecimento. Será que aquele refrigerante diet ou zero vou impactar negativamente no seu emagrecimento? Na sua glicose do sangue? Vamos dar uma palavrinha sobre isso. Acho que o pessoal vai gostar de ouvir. Na verdade, Dr. Souto, o primeiro assunto do LDL… A minha crença pessoal… Já falei isso antes… Uma vez que a pessoa tem uma alimentação forte, uma alimentação correta e os níveis de LDL no sangue não teria uma significância para uma análise de risco de problema de saúde levando em consideração todo o contexto do exame de sangue, se os outros ponteiros estiverem em ordem. O mesmo já aconteceu no passado… Isso de tentar colocar a culpa em um só indicador. O colesterol total, no passado, o pessoal achava que se estivesse alto era um bom indício de problemas. No entanto, hoje, já é bem aceito que o colesterol total unicamente é inútil nesse contexto. Mas quando o assunto é LDL, eu vejo que o medo ainda é meio generalizado. Essa minha crença está longe de ser senso comum, com certeza. Além disso, não vivemos de crença. Vivemos de fatos. O que me fez puxar esse assunto para hoje… Hoje de manhã eu estava analisando o exame de sangue na minha mãe. Ele mostra a evolução ao longo do tempo, o que é bacana. Ela está agora com 63 anos, tem um HDL de 83, triglicerídeos 63 e uma hemoglobina glicada de 5.2. Então, os indicadores estão muito bons. Mas o LDL dela está em 153. Então a médica apontou que o LDL está alto… “Você está comendo carne? Gordura? Quanta gordura?” Ela escutou esse tipo de coisa. Eu falei para ela que eu tenho minha crença que, tendo um contexto em que todo o resto indica uma saúde excelente, apontar o dedo para o LDL nesse caso, sem muita base científica, é meio arriscado mudar o hábito por causa desse tipo de informação. Eu tinha anotado para a gente falar para o pessoal sobre uma revisão sistemática que o British Medical Journal… Teve como objetivo analisar justamente isso: a hipótese de que o colesterol LDL mais alto é associado com maior risco de problema cardíaco, e morte por todas as causas. Eles analisaram mais de 68 mil pessoas com mais de 60 anos de idade. Em 92% desses casos, foi observada uma associação inversa entre o LDL e a mortalidade por todas as causas. Ou seja, um maior LDL foi associado a um menor risco de morte. No resto dos casos, nenhuma associação significativa foi encontrada. Em dois dos estudos dessa revisão, a mortalidade por problemas cardíacos foi maior nos grupos que tinham os menores LDLs. O estudo concluiu o seguinte: LDL alto é inversamente associado com mortalidade na maioria das pessoas acima de 60 anos. Esses achados são inconsistentes com a hipótese do colesterol, que acredita que colesterol – LDL em particular – é inerentemente aterogênico. Ainda, nosso estudo fornece um racional para uma reavaliação para as diretrizes que recomendam uma redução farmacológica do LDL em pessoas que tenham o LDL um pouco alto como uma estratégia de prevenção de doenças cardiovasculares. Esse é um assunto quente. Acho que já falamos sobre isso, mas queria saber seu take. Como você analisa o LDL um pouco mais alto no contexto dos outros indicadores de saúde, por exemplo?

Dr. Souto: Esse é um assunto que a gente já abordou. Já conversamos sobre essa revisão sistemática específica. Mas é bom para o pessoal se lembrar. A história do colesterol se mistura com um nome, que é Framingham. O famoso primeiro grande estudo de coorte. Aquele estudo que acompanhou pessoas na pequena cidade de Framingham. Eles ficavam vendo os hábitos, os fatores de risco e os desfechos (quem morrida do que). Nesse estudo de Framingham, já não tinha nenhuma correlação com pessoas mais velhas. Colesterol só era fator de risco para homens jovens. Não era fator de risco para mulheres de idade nenhuma e muito menos para pessoas de qualquer sexo mais velhas. O que essa revisão sistemática mostra é que preponderância da literatura desde então continua confirmando o fato de que colesterol (LDL) elevado nos pacientes mais idosos… Quanto mais idoso, menos correlação tem. A tendência é de haver uma correlação inversa. Tem vários estudos mostrando uma correlação inversa. Relação inversa, para quem não está acostumado com essa linguagem, significa que quanto mais alto o colesterol dessas pessoas mais velhas, mais longevas elas são (mais elas vivem). Inclusive, numa época houve um autor… Agora me falha o nome dele… Que tentou explicar isso da seguinte forma. Determinadas doenças fazem a pessoa ficar tão doente que ela vai emagrecendo… Ela está, por exemplo, com câncer… Está sendo consumida pela doença e por isso o colesterol dela baixa. E daí o colesterol baixo estaria relacionado com mortalidade, mas, na realidade, seria por causa dessas outras doenças que fazem o colesterol baixar. Mas daí depois tiveram estudos que mostraram que não. Na realidade, a baixa do colesterol precede as doenças. Então, primeiramente o colesterol fica baixo. Depois a pessoa adoece. Não é que a pessoa adoece e por isso o colesterol baixa. Então, eu acho que que é um estudo bem interessante porque grande quantidade das pessoas que estão usando estatinas estão usando estatinas sendo pessoas com mais de 60 anos, nas quais existe uma correlação estatística inversa entre colesterol e mortalidade… E são pessoas que nunca tiveram um evento cardiovascular. A gente sempre repete aqui, mas vamos continuar repetindo: é diferente da pessoa que já enfartou uma vez, na qual a medicação realmente ajuda a diminuir o risco de um segundo infarto. A pessoa que já colocou um stent na coronária… Na qual a medicação realmente diminui a chance de entupir aquele stent. Estou falando da pessoa que está tomando remédio porque é como a mãe do Rodrigo. O LDL está cento e cinquenta e poucos… Está cento e sessenta… “O LDL está alto, vamos tomar remédio.” Veja bem. Não tem evidência para isso. Não tem mesmo. Os ensaios clínicos randomizados que foram conduzidos com o uso de estatinas em prevenção primária… Ou seja, aqueles estudos em que se quis ver aquelas pessoas que não tem nenhum outro problema de coração se a estatina reduz a chance de morrer ou de ter um infarto só porque essas pessoas têm um colesterol um pouco mais alto. Nesses estudos, as pessoas idosas não entrar nelas. É critério de exclusão dos estudos. A verdade é que praticamente se tem muito pouco dado de ensaio clínico randomizado que tenha sido feito especificamente nessa população. Recentemente saiu outro estudo que tentou pegar e fazer uma metanálise só das pessoas com mais de 65 ou 70 anos que existiam nos ensaios clínicos randomizados de estatina. Não se mostrou nenhum benefício de usar estatina em prevenção primária nessa população. Então, Rodrigo, o resumo de tudo é assim. Definitivamente, não faz muito sentido se preocupar com o colesterol um pouco mais alto numa pessoa com mais de 60 anos que tem todos os outros marcadores bons – inclusive um HDL invejável. E tem mais uma coisa. Em 1988 foi publicado um estudo que eram os 30 anos do estudo de Framingham. Eles resolveram olhar para trás e ver todos os dados acumulados dos últimos 30 anos desse famoso estudo de Framingham. E tem um gráfico espetacular que vou te mandar depois para botar nos links do podcast. É um gráfico que mostra o LDL de um lado, o HDL do outro e o risco cardiovascular. Aí vocês verão que nas pessoas que tem o HDL de 80 e poucos, como é o caso da sua mãe, o LDL se torna praticamente irrelevante no que diz respeito ao risco cardiovascular. Você vê que quem tem LDL baixo, quem tem LDL médio e quem tem LDL alto, o risco é igualmente baixo – para quem tem o HDL de 80 e poucos. Já para quem tem o HDL muito baixo… Nesse gráfico aparecem pessoas com HDL de 25… Para essas pessoas o LDL passa a ser um fator de risco imenso. Quem tem o LDL baixo, tem um risco. Quem tem o LDL tem um risco imenso. Mas olhe que interessante. Mesmo quem tem o LDL bem baixo, nessa população que tem o HDL 25 ainda tem um risco muito maior do que LDL mais alto…

Rodrigo Polesso: Eu especulo que essa pessoa com HDL de 25 provavelmente teria maus números de triglicerídeos, glicada e etc.

Dr. Souto: Eu não tenho nenhuma dúvida, Rodrigo. Acho que você pegou absolutamente na mosca. Talvez não seja o HDL em si que proteja. Hoje eu já nem acredito muito naquela história que nós aprendemos que o HDL vai lá e remove a gordura da parede da artéria. Acho que não é nada disso.

Rodrigo Polesso: É meio ficção científica.

Dr. Souto: Isso é ficção. O que acontece é o seguinte. HDL alto e triglicerídeos baixos são marcadores substitutos indicando que essa pessoa tem uma boa saúde metabólica, não tem resistência à insulina e é bastante sensível à insulina. Na realidade, não é o HDL alto (talvez) que proteja. É que o HDL alto denota uma pessoa metabolicamente saudável no eixo glicose-insulina. E esse eixo é que é o fundamental. No fundo estou dizendo de outra forma aquilo que você comentou antes. Quem está bem glicose, nos triglicerídeos e bem no HDL… Essas pessoas têm vasos sanguíneos saudáveis, tem o endotélio saudável. Mesmo tendo níveis de LDL mais alto, esse LDL tem muita dificuldade de penetrar na parede da artéria. Ele continua sendo um fator de risco. A interpretação correta dos dados é: Sim, mesmo quem tem 85 de HDL, nesse subgrupo privilegiado de pessoas que tem 85 de HDL, aquelas que tem LDL mais alto tem um risco cardiovascular um pouco maior do que as que tem LDL mais baixo. Mas é um pouco! É bem pouco. É um fator de risco sobrevalorizado.

Rodrigo Polesso: E de longe não é independente como muita gente acha que é.

Dr. Souto: A pessoa está dirigindo. Ela não bebe antes de dirigir. Ela cuidou para que os pneus não estejam carecas. Ela usa cinto de segurança. O LDL é aquele negócio… Além do airbag principal, o carro tem aqueles airbags laterais também. Não é que ele não tenha nada a ver com o risco, mas ele é absolutamente secundário. Tem um monte de fatores mais importantes. Ele não é um não fator. Ele é um fator de risco, mas é um fator de risco secundário. É um fator de risco que é modulado pelos outros. O quanto de risco que ele confere depende de como está o resto. Aí nós pegamos esse fator e dizemos que ele é fundamental e determinará a dieta. “Nós temos que fazer uma dieta que não mexa em LDL.” Quando ele é o fator menos importante. Essa mesma dieta que foi desenhada pelo Ancel Keys… A única coisa na qual eles estavam pensando era LDL… Esculhamba todos os outros. É um negócio de altíssimo carboidrato. Baixa gordura. Aí os triglicerídeos vão para o espaço. O HDL fica baixo. A pessoa engorda. Mas o LDL fica mais baixo. Aí a pessoa morre.

Rodrigo Polesso: Sim.

Dr. Souto: Morre com o LDL baixo. Tudo isso que estou falando é em pessoas mais jovens. Em pessoas mais velhas o LDL passa a ser realmente secundário em termos de prevenção primária. É o que a literatura está mostrando.

Rodrigo Polesso: A gente já conversou sobre isso, eu e você. O pessoal que gosta de números pode fazer a razão. Triglicerídeos divididos pelo HDL. A literatura sugere que essa razão fique menor que 2, por exemplo. No caso na minha mãe fica em 0,75. É muito baixo. Tem que ficar bem menor de 2 para ser ótimo. Uma coisa é ser bom e a outra é ser ótimo. A distância é grande. Para o pessoal que gosta dessa razão, acho que é bacana diminuir o número de triglicerídeos pelo HDL e ver qual é essa razão. É um marcador bem melhor do que o LDL isolado. Você também costuma usar esse tipo de coisa?

Dr. Souto: Eu uso, sim. No painel lipídico normal, tradicional… Eu acho que as duas razões que mais importam é essa que você falou… Triglicerídeos dividido por HDL, de preferência menor que 2. E colesterol total dividido por HDL, de preferência menor que 4,5. A gente tendo isso… Em princípio isso tem muito mais valor… Inclusive vou dizer uma coisa. A Associação Americana de Cardiologia concorda comigo. Vou provar que ela concorda comigo. Pessoal, coloquem no Google: AHA Calculator. Procure o LDL ali. Não tem. A calculadora de risco cardiovascular da Associação Americana de Cardiologia pergunta seu colesterol total, seu HDL, sua pressão, se tem diabetes ou não, a idade e o sexo. Não tem LDL ali. Pronto, a AHA concorda comigo. A AHA está dizendo. Não é porque eles calculam o LDL, porque para calcular o LDL eles teriam que saber os triglicerídeos. Eles não perguntam os triglicerídeos. É porque eles consideram que LDL é pouco importante no cálculo do risco cardiovascular. Não confia em mim? Dê uma pausa. Aperte o pause no podcast, vá no Google e bote. A calculadora de risco cardiovascular da Associação Americana de Cardiologia não considera LDL. Ele é desconsiderado. Colocar ou não colocá-lo não mudara praticamente nada na predição do modelo estatístico.

Rodrigo Polesso: Vale um alerta. Eu sugiro que não acreditem na AHA também. Não cometa esse erro.

Dr. Souto: Se a AHA que é a AHA, super conservadora… Na outra semana estávamos falando do óleo de coco. Nem a AHA considera na sua calculadora de risco o LDL, porque ele é secundário a colesterol total, triglicerídeos, se é diabético ou não, se é hipertenso ou não… Essas coisas. Dito isso, não significa que a pessoa possa ter colesterol de 400 e ficar tranquila. Mesmo um fator de risco que não é tão importante, se estiver num nível superlativo, aí não dá. Tem que ajeitar alguma coisa. Tem que mudar a dieta e eventualmente medicar. Esse é meu take. Ele é um fator de risco, mas é um fator de risco que tem um peso menor. Ele pode ser completamente desconsiderado? Não. Mas ele não pode ser considerado a coisa principal, porque ninguém, nem a AHA o considera o principal.

Rodrigo Polesso: Perfeito. Para resumir esse ponto… Estamos falando isso para tentar te proteger com informação. Muitos médicos acabam não seguindo pela inércia… De apontar o ponto vermelho no monte de pontos azuis. É bom você ter essa informação para se lembrar que o contexto é muito importante. Você não pode apontar o dedo para uma coisa isolada. Não tem base científica nenhuma para isso. Com acesso à informação você consegue ser mais cético se forma inteligente e consegue se informar e tomar melhores decisões a respeito dos seus exames também, além de ajudar o profissional de saúde a interpretar isso melhor. O segundo ponto, para a gente ir para frente, é do adoçante. Adoçante na forma de refrigerante. Posso tomar refrigerante zero, diet de boa para emagrecer? O racional por trás dessas pessoas é o seguinte… Refrigerante zero e diet é zero em açúcar. A gente imagina que a glicose não será afetada. É zero em açúcar, não vou engordar, tudo bem. Para iniciar essa discussão rápida, tem dois experimentos que foram postados no Diet Doctor. É um experimento pessoal. Uma pessoa que fez. No primeiro essa pessoa tomou o Sprite Zero e monitorou os níveis de glicose no sangue. Como imaginado, Sprite Zero contém zero açúcar, logo os níveis de açúcar no sangue se mantiveram inalterados. Interessante. Então, temos uma prova empírica, nesse caso, de que o nível de glicose com refrigerante zero não é alterado. Isso responde se refrigerante diet e bom para emagrecimento? Não. Outro experimento feio pela mesma pessoa… Dessa vez ele fez tomando Pepsi Max, que é uma equivalente à Coca Zero. A glicose no sangue também seguiu praticamente inalterada. Porém, os níveis de corpos cetônicos caíram quase 50% depois de beber essa Pepsi Max. Eles não voltaram os níveis anteriores mesmo depois de 5 horas. Ele infelizmente não mediu a insulina no sangue. Mas vemos que não alterou a glicose, mas alterou os corpos cetônicos. A gente sabe que os corpos cetônicos são muito sensíveis à insulina. Então, pode ser que o aspartame estimulou um pouco a insulina? Não sei. De fato, fazer os corpos cetônicos caírem não vai ajudar a pessoa a emagrecer. Lembrando que corpo cetônico é do que o corpo se alimenta quando você está em cetose. É quando o copo está adaptado a low carb por um período longo de tempo e está consumindo gordura na forma de corpos cetônicos. A pergunta que fica no ar, Dr. Souto, é a seguinte. Bebidas adoçadas sem calorias são uma boa estratégia para o emagrecimento e saúde geral?

Dr. Souto: Rodrigo, eu tenho muito a falar e pouco tempo. Eu não posso perder meu voo. Então vou tentar ser muito sucinto e dizer o seguinte. Adoçante vai aumentar o açúcar no seu sangue? A resposta é não. Isso está bem claro. “Então o adoçante é pior que o açúcar?” A resposta é não. Se você for diabético e comer açúcar, será um desastre. Se você for diabético e consumir adoçante, pelo menos no ponto de vista de glicose, é completamente diferente. Einstein dizia que as coisas devem ser o mais simples possível, porém não mais simples…

Rodrigo Polesso: Simples, mas não simplista.

Dr. Souto: Simples, mas não simplista. Não é pior que açúcar. Não é a mesma coisa que açúcar. São coisas diferentes. O que eu penso é assim… O consumo do refrigerante dietético é um consumo de uma quantidade muito grande de adoçante. É uma quantidade farmacológica de adoçante. É diferente da pessoa colocar algumas gotas de adoçante numa receita que fez. De repente pingar uma gota no café. Acho meio inútil adoçar café… Mas temos que entender que eu e o Rodrigo estamos há mais de 5 ou 6 anos fazendo low carb. Mas daqui a pouco é alguém que começou ontem. A pessoa até ontem comida açúcar para caramba. Ela está numa abstinência. É isso ou ela vai comer um quindim. Eu já disse isso várias vezes aqui. O adoçante pode servir como um adesivo de nicotina para o ex-fumante. Aquele negócio que alivia a necessidade do vício. Mesmo assim, não sou xiita na minha vida pessoal com adoçante. Eu uso um pouco nas minhas coisas. Daqui a pouco eu coloco um pouco numa pasta de amendoim com chocolate (amargo), quando quero fazer uma sobremesa. Mas são gotas. A quantidade de adoçante… Eu suponho que em número de gotas… Numa lata de Coca-Cola… Deve ser um terço do frasco do adoçante.

Rodrigo Polesso: E é aspartame. Não é xilitol ou stevia.

Dr. Souto: Exatamente. Eu pessoalmente não sou contra o uso do adoçante. Ele definitivamente não altera a glicemia diretamente. Mas os adoçantes não são como nós imaginávamos há uns anos atrás, completamente neutros. Eles têm efeitos farmacológicos que ainda são pouco entendidos. Coisas que alteram a sensibilidade à insulina. Pode ter esse efeito da fase cefálica na secreção se insulina. O que é a fase cefálica da secreção de insulina? Eu boto uma coisa doce na boca, o açúcar não entrou no sangue ainda. Mas meu pâncreas já secreta uma insulina porque meu cérebro detectou o gosto doce. Evidente que esse tipo de coisa vai acontecer. Será que isso impacta na perda de peso? Rodrigo, faça uma pergunta mais fácil.

Rodrigo Polesso: Ajudar não ajuda.

Dr. Souto: A literatura sobre isso é caótica, porque ela é toda cheia de conflitos de interesse.

Rodrigo Polesso: Com certeza.

Dr. Souto: Tem muitos estudos patrocinados pela indústria. Teve um estudo recente. Um ensaio clínico randomizado, aparentemente bem conduzido, que mostrou que o pessoal que tomava refrigerante diet perdia mais peso do que quem bebia água. Só que o estudo era patrocinado pela indústria de refrigerantes. Então, é muito difícil. Cá entre nós, eu tenho dificuldade de acreditar que as pessoas vão emagrecer mais com o refrigerante diet. Eu não teria nenhuma dificuldade em aceitar que se emagrece mais com o refrigerante diet do que com refrigerante normal. Agora, mais do que com água? Aí a gente acaba suspeitando dos estudos. O que eu posso dizer é o seguinte. Eu tenho pacientes de consultório perdendo peso bem… Documentado… Fazendo low carb com adoçantes. Isso é possível. Eu acho que o adoçante é muito melhor do que o açúcar. Não importa que seja artificial, não importa que seja sacarina. É muito melhor do que o açúcar. Mas nem que seja num horizonte de tempo maior… Penso em meses… Diminuindo para ver se deixa bem pouco. Tomar bastante refrigerante diet todos os dias… Eu não preciso justificar o que vou afirmar agora. Não é bom para a saúde de ninguém. É tão evidente que é auto evidente. É evidente que não é bom. A pessoa tomar uma Coca Zero de vez em quando não vai morrer.

Rodrigo Polesso: Exato. Acho que é inquestionável a valia do adoçante como ferramenta de transição. Sair do vício do doce para partir para o adoçante. O problema é maior. O problema é você ficar no controle do doce e não o doce no seu controle. Você estimular o doce no cérebro várias vezes por dia. Tomar adoçante, tomar Coca Zero, toma antes da janta… Com o gosto doce, você fica refém daquele vício. Acho que não precisa de estudo para mostrar que uma coisa como essa não é natural. Acho que todo mundo deveria ter como objetivo estar no controle do doce de forma que você escolha quando você quer sentir o gosto doce sem se sentir oprimido e ameaçado pela gula que te força a obter aquele doce. Você chegou a almoçar hoje para contar para o pessoal o que você degustou no almoço hoje?

Dr. Souto: O velho bife com ovo e salada. Hoje não mudou nada. Se me desse todos os dias isso para comer, eu era uma pessoa feliz.

Rodrigo Polesso: E saudável.

Dr. Souto: Não sou exigente.

Rodrigo Polesso: Ótimo. Hoje fui no buffet de sushi aqui. Estava longe de ser o que eu considero saudável. Mas eu estava com saudade. Fui com a família. Posso falar em outro episódio. Sushi hoje em dia tem a cor verde na mente de muita gente. O sashimi, tudo bem. Mas o sushi… Sabe Deus o que o pessoal coloca lá. Até farinha tem. Sempre tem açúcar. Tem muito mais arroz e carboidratos do que peixe. Aquilo que eles fazem hoje nesses restaurantes de sushi não dá para chamar de sushi. Na verdade, um japonês se mataria de vergonha se visse muitos dos buffets daqui. É bom ficar alerta. Não é porque é japonês que será bom e saudável. É bom ficar alerta a respeito disso. Maravilha. Acho que é a hora de você correr para o aeroporto. Estamos com o dever cumprido. Espero que esse papo tenha sido útil mesmo assim. A gente se vê religiosamente na próxima terça-feira. Um grande abraço, pessoal. Até mais.

Dr. Souto: Obrigado. Tchau tchau.

  • Magali Sanches

    Boa tarde…..estou com um problema sério, estou Lowcarb e fazendo jejum perdi 3kg em 2 semanas….perfeito….porem a 2 semanas meu peso oscila para mais e volta no mesmo…..faço jejum de 16hs então pensei em fazer de 20hs para ver se perderia mas mesmo assim nada….vc poderia me dar uma luz? Obrigado

  • André Marcanth

    Essa questão do HDL remover a gordura ser ficção, há algum artigo ou livro (mesmo em Inglês) que eu possa ler, para entender onde que isso se relaciona ao eixo glicose-insulina? Obrigado!